O cadastramento biométrico eleitoral já é obrigatório em Capão Bonito. De acordo com a 37ª Zona Eleitoral, os eleitores têm até o próximo dia 19 de dezembro para atualizar o título. Nas próximas eleições de 2020, os eleitores capão-bonitenses terão que contar com o cadastro biométrico para votar.

Para fazer o cadastramento, deverá ser apresentado, no momento do atendimento, um documento do qual se infira a nacionalidade e um comprovante de endereço.

Ainda segundo a 37ª Zona Eleitoral, aqueles que não realizarem o procedimento terão o título cancelado, o que acarretará no impedimento de obter empréstimos bancários, renovar a matrícula em instituições de ensino, inscrever-se em concursos públicos, obter passaporte, além de levar a inconsistência no banco de dados de documentos oficiais.

Para se cadastrar, o eleitor deverá comparecer no Cartório Eleitoral de Capão Bonito, localizado a Rua Rafael Machado Neto, nº 50, na Vila Nova Capão Bonito – junto ao Fórum. O atendimento é realizado de segunda a sexta-feira, das 12h00 às 18h00, e poderá ser previamente agendado pelo site www.tre-sp.jus.br.

Documentos pessoais:

– Carteira de identidade (RG);

– Carteira emitida pelos órgãos criados por lei federal, controladores do exercício profissional;

– Certidão de nascimento ou casamento;

– Certificação de quitação do serviço militar;

– Instrumento público do qual se infira, por direito, ter o eleitor idade mínima de 16 anos, e do qual constem também, os demais elementos necessários á sua qualificação;

– Carteira nacional de habilitação (CNH), com exceção para os alistandos.

Documentos para comprovação de residência:

– Conta de luz, água ou telefone, em nome do eleitor (emitidos ou expedidos nos três meses anteriores ao comparecimento do eleitor ao cartório);

– Envelopes de correspondência ou nota fiscal de entrega de mercadoria em nome do eleitor (emitidos ou expedidos nos três meses anteriores ao comparecimento do eleitor ao cartório);

– Contracheque ou cheque bancário em que conste o endereço e nome do eleitor;

– Contrato de locação em nome do eleitor;

– Documento expedido pelo INCRA;

– Declaração do proprietário do imóvel de que o eleitor reside em razão de locação, comodato ou outras modalidades de cessão da posse, juntamente com um dos documentos acima discriminados em nome do proprietário;

– Qualquer outro documento, a critério do juiz eleitora;

Obs: Os documentos comprobatórios de residência poderão ser utilizados pelo cônjuge, filhos, tutelados ou sob guarda e demais descendentes, desde que comprovem essa situação.