Pela segunda vez consecutiva, Capão Bonito integra o Mapa Nacional do Turismo Brasileiro, certificado pelo Ministério do Turismo, por meio do Programa de Regionalização do Turismo e dos Interlocutores Estaduais.

A certificação oficial foi emitida no último mês de agosto, conforme portaria nº 27, assinada pelo ministro de Estado do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio e pelo secretário nacional de Estruturação do Turismo, Robson Napier Borchio, e vale para os anos de 2019 a 2021.

Capão Bonito já havia sido incluído no mapa, entre os anos de 2017 e 2019 e, graças a uma política de incentivo e estruturação do setor turístico, foi novamente certificado.

A inclusão dá a condição a Capão Bonito de cidade elegível para receber incentivos do Governo Federal destinados a fomentação do turismo na região.

O mapa, que é atualizado a cada dois anos, faz parte de uma estratégia do Plano “Brasil + Turismo”, lançada para fortalecer o setor de viagens no país.

Outra notícia importante é que Capão Bonito conquistou também a melhor nota entre os municípios que fazem parte da Região Altos de Parnapiacaba, que compreende ainda as cidades de São Miguel Arcanjo, Pilar do Sul, Piedade, Itapetininga, Campina do Monte Alegre e Tapiraí.

“A segunda certificação mostra que estamos no caminho certo em relação ao Turismo. Capão Bonito nunca teve tantos investimentos no setor, como com a atual administração, por meio da atenção dada pelo prefeito Marco Citadini. Estamos avançando com o Plano Diretor de Turismo, investimentos no PENAP, no Parque das Águas, eventos, entre outras conquistas”, destacou o secretário municipal de Relações Institucionais e gestor do Turismo em Capão Bonito, Francisco Lino.

O secretário ainda ressaltou que o Conselho Municipal de Turismo, que tem como atual presidente a professora Janaina Faia, também foi certificado pelo programa, por meio dos documentos inseridos no Sistema de Informação do Programa de Regionalização do Turismo – SISPRT. “Isso demonstra a força e a organização do Conselho, que foi criado em 2017 e tem sido bastante atuante no município”, completou Lino.

Programa de Regionalização do Turismo

Como parte da política estratégica que norteia o desenvolvimento turístico no país, a Regionalização é resultado de um processo de planejamento descentralizado e compartilhado, iniciado em 2003, com enfoque territorial.

O Programa foi lançado em abril de 2004, passou por uma avaliação participativa em âmbito nacional, o que possibilitou sua reformulação. Em 2013, suas novas diretrizes foram instituídas pela Portaria MTur nº 105, de 16 de maio de 2013.

O Programa de Regionalização do Turismo é um programa estruturante do Ministério, que trabalha a convergência e a interação de todas as ações desempenhadas pelo MTur com estados e municípios brasileiros. Seu objetivo principal é o de apoiar a estruturação dos destinos, a gestão e a promoção do turismo no País, a partir de oito eixos estruturantes com vistas à promoção do desenvolvimento regional.

Mapa do Turismo Brasileiro

O Mapa é o instrumento instituído no âmbito do Programa de Regionalização do Turismo que orienta a atuação do Ministério do Turismo no desenvolvimento das políticas públicas. É o Mapa do Turismo Brasileiro que define a área – o recorte territorial – que deve ser trabalhada prioritariamente pelo Ministério. Ele é atualizado bienalmente, e sua última versão, de 2019, conta com 2.694 municípios, divididos em 333 regiões turísticas. Os municípios que o compõem foram indicados pelos órgãos estaduais de turismo em conjunto com as instâncias de governança regional, a partir de critérios construídos em conjunto com Ministério do Turismo.