RETORNO ÀS AULAS – Está semana está sendo especial para Rede Municipal de Educação de Capão Bonito.

Depois de 1 ano e 6 meses de enfrentamento a pandemia aconteceu o tão aguardado retorno do ensino presencial com logística híbrida.

Conforme a Secretaria Municipal de Educação, todos os protocolos sanitários estão sendo obedecidos na retomada, inclusive com as escolas apresentando Planos de Ação detalhados.

Na escola de Educação Infantil Balangá e creche Leoni da Silva Lopes, localizadas na Vila Aparecida, maior bairro da cidade, tudo foi preparado com muito carinho para receber os alunos.

Até um trenzinho foi preparado. De acordo com a direção e professores, o objetivo foi garantir um bom acolhimento tanto dos alunos como pais.

Em escolas de Ensino Fundamental, como Oscar Kurtz Camargo e Profa. Maria da Conceição Lucas Mieldazis, os estudantes também foram recebidos com frases de incentivo e painéis.

Na Mieldazis, localizada na Vila Bela Vista, os últimos dias foi de um verdadeiro mutirão para preparar a escola com mais cores e acolhimento. Houve um grande empenho da direção, professores e demais servidores que estiveram atentos aos mínimos detalhes.

Nas demais unidades escolares, tanto na zona urbana como rural, o acolhimento nesta primeira semana de retomada também foi a tônica.

Em Capão Bonito a retomada das aulas foi muito bem analisada e discutida, sendo inclusive embasada em posições técnicas tanto do Setor Educacional como de Saúde.

Para nortear o retorno das aulas e demais atividades letivas, na modalidade híbrida (presencial e remota) da Rede Municipal seguiu o disposto no artigo 205 da Constituição Federal, considerando os efeitos adversos à segurança, o bem-estar e à proteção das crianças e adolescentes com a suspensão de aulas e demais atividades presenciais por longos períodos, bem como o aprimoramento da capacidade operacional das unidades de ensino no território estadual no contexto de enfrentamento à pandemia de Covid-19 e estabelecimento de protocolos como:

  • Observância de distância mínima de 1m ½ (um metro e meio) entre pessoas, em todos os ambientes escolares, inclusive naqueles de acesso comum, para o desenvolvimento de quaisquer atividades;
  • Planejamento das atividades em conformidade com a capacidade física da unidade escolar, admitindo-se o escalonamento de horários de entrada, saída e intervalos dos alunos;
  • Monitoramento de risco de propagação da COVID-19;
  • Capacidade física e área disponível para desenvolvimento de aulas e atividades presenciais, inclusive as particularidades das unidades escolares campesinas, creches (0 a 3 anos) e das unidades escolares que receberão reformas no segundo semestre de 2021;

A secretária de Educação – Ana Luiza Dias – ressaltou que tudo foi planejado com precaução e atenção a detalhes para que o retorno fosse o mais seguro possível.

Em agosto, por exemplo, houve treinamento com funcionárias da empresa terceirizada e responsável pela limpeza e higienização das escolas e ambientes.

Outra ação importante foi o “Projeto Semana D”, normatizado pelo Ofício Circular no. 89/2021 – SMECET e formatado em parceria com a Secretaria Municipal de Saúde e possibilitou palestras de conscientização e prevenção sobre a Covid-19.

“Dividimos o Plano de Retomada das Aulas em duas etapas. Na primeira com os profissionais retornando, reforço de protocolos sanitários e orientação sem contato com os alunos. Na segunda etapa, com a volta às aulas neste mês e o ciclo de vacinação completo e com mais margem de segurança para a volta”, explicou a secretária – Ana Luiza Dias.

As ações referentes a volta das aulas também foram acompanhadas de perto pelo diretor da Divisão de Ensino Fundamental – prof. Varani Balthazar e pela diretora da Divisão de Educação Infantil – profa. Judilene Nogueira Silva e equipe técnica da secretária.

“Houve um empenho grande para que a volta fosse segura. Em conversa com pais de alunos, o anúncio da volta também foi bem recebido. Precisamos a partir de agora mitigar os impactos pedagógicos gerados pela pandemia e temos gestores e professores preparados para isto”, frisou o diretor Varani Balthazar à Assessoria de Imprensa da Prefeitura.

Conforme ainda a secretária – Ana Luiza Dias a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) e da Organização Mundial da Saúde (OMS) no Brasil já destacaram a importância da retomada das atividades presenciais de maneira segura, a exemplo do que já ocorre em algumas cidades pelo território nacional e em outros países.

“Com os números da pandemia mais estabilizados foi possível concretizar está retomada”, ressaltou a secretária, que também defende a realização de avaliações de diagnóstico para identificar as lacunas de aprendizagem; atendimento mais individualizado para estudantes; reforço escolar, entre outras.

 

Volta às aulas na escola Balangá e Creche Leoni da Silva Lopes