A campanha “Janeiro Branco” tem como principal objetivo, conscientizar a sociedade sobre a importância da reflexão acerca da saúde mental. Esse tema ficou mais evidente nesse último ano, tendo em vista a pandemia em decorrência da COVID-19.

Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) relatam que o Brasil é o segundo país das Américas com maior número de pessoas depressivas, equivalentes a 5,8% da população, atrás dos Estados Unidos, com 5,9%. A depressão é uma doença que afeta 4,4% da população mundial. O Brasil é ainda o país com maior prevalência de ansiedade no mundo (9,3%).

O CAPS de Capão Bonito não ficou de fora, durante o mês de janeiro, profissionais da saúde orientaram todos os frequentadores da unidade, sobre o tema, através de atendimento individual com os usuários do serviço de saúde mental e seus familiares. A unidade realizou também visitas e debates sobre o tema em algumas UBS’s.

Segundo a assistente social Aline Vendrami “As condições sociais que se agravaram neste último ano são fatores de risco. Temos que refletir nos fatores de proteção, que são investimentos em educação, saúde, lazer e outras políticas públicas, desmistificando a Saúde Mental”.

SAÚDE MENTAL X PANDEMIA
O cenário de pandemia acentuou o sofrimento psíquico na população provocado pelo isolamento decretado em função da pandemia. Fatores que influenciam o impacto psicossocial estão relacionados à magnitude da epidemia e ao grau de vulnerabilidade em que a pessoa se encontra no momento. A ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) advertiu, entretanto, que nem todos os problemas psicológicos e sociais apresentados poderão ser qualificados como doenças. A maioria será classificada como reações normais diante de uma situação anormal.

Reações comuns diante deste contexto englobam sentimento de impotência e desamparo perante os acontecimentos, solidão, irritabilidade, angústia, tristeza, raiva, salientou a Agência.