Mais uma empresa começou as construções no Distrito Industrial II de Capão Bonito. Neste sábado, dia 15, o frigorífico Bonanza deu início às primeiras obras das futuras instalações no empreendimento.

O novo parque industrial conta com um verdadeiro canteiro de obras. A cada dia que passa, as construções avançam e, em breve, as fábricas estarão em funcionamento.

Recentemente, a empresa Superbase e Concresul também iniciou as suas construções, juntando-se à Moretto & Moretto, MC, Insaltec e CIAP, sendo que as duas últimas estão com obras em estágio avançado.

Com isso, seis indústrias já estão construindo suas unidades físicas, gerando os primeiros empregos na construção civil e dando sequência ao objetivo de inaugurarem seus estabelecimentos de acordo com o cronograma estipulado.

As demais empresas também começarão a promover as primeiras edificações no novo parque industrial. “Todas as 16 empresas que receberam área estarão realizando suas obras até os próximos 60 dias”, afirmou o secretário de Governo, Indústria e Comércio, Marcelo Varela.

Para chegar a esse período de obras constantes, a Prefeitura Municipal, em parceria com empresários, trabalhou pela estruturação do empreendimento, como obras de terraplanagem, instalações das redes de água, esgoto e de energia.

“A geração de emprego é um compromisso de campanha que estamos tratando e trabalhando com prioridade. É uma satisfação ver o novo parque industrial saindo do projeto e se tornando uma realidade. Diversas empresas já estão se instalando e logo estarão em pleno funcionamento, contratando centenas de capão-bonitenses”, alegou Citadini.

Frigorífico Bonanza

De acordo com o proprietário do Frigorífico Bonanza, Andrei Costa a expectativa é de gerar 80 empregos no local. “No início serão cerca de 30 empregos, mas com a fase de operação, a perspectiva sobe para 80 empregos diretos, isso sem contar os indiretos”, afirmou.

Ainda segundo o empresário, a previsão de investimento é de mais de R$ 5 milhões, o que vai movimentar também o mercado e a economia no município, como no ramo da construção civil, comprando materiais e gerando os primeiros empregos. “Estamos seguindo as determinações e licenças de órgãos responsáveis, até o fim do ano o prédio deve estar pronto para, gradativamente, começar a linha de desossa”, finalizou.