A Prefeitura Municipal de Capão Bonito, por meio de parceria entre as Secretarias de Desenvolvimento Social e Educação, criou o projeto “Escola Afetiva”, que visa identificar e intervir casos de alunos crianças e adolescentes vítimas de distúrbios psicológicos e conflitos familiares.

O lançamento oficial do projeto aconteceu nesta quarta-feira, dia 15, na Escola Municipal Maria da Conceição Lucas Mieldazis, que será piloto no programa, e contou com a presença do prefeito Marco Citadini, do secretário de Desenvolvimento Social Erivaldo Rodolfo (Nhã), do secretário de Educação Wagner Santos, da diretora da unidade escolar Tânia Cacciacarro, professores, alunos e dos idealizadores, o psicólogo Marcelo Arruda e a assistente social Camila Camargo.

Para a criação do projeto, os idealizadores levaram como princípios as queixas reiteradas da população e dificuldade de acesso a serviços de psicologia voltados a conflitos familiares e transtornos psicológicos em jovens e crianças, os crescentes encaminhamentos das escolas e do Conselho Tutelar apontando envolvimento constante de seus alunos com problemas de indisciplina, uso de entorpecentes e outros relacionados com desestrutura familiar, a crescente onda de violência e suicídios cometidos por jovens e crianças, entre outros.

“O programa irá implantar no município uma “rede”, objetivando a identificação e rápida intervenção diante de casos relacionados a transtornos psicológicos, violência, uso de drogas e outras demandas relacionadas. O trabalho consistirá em realizar grupos nos bairros rurais e escolas do município, oferecendo atividades de cunho psicossocial. Paralelo a isso, o projeto identificará alunos que já passaram por problemáticas e realizará intervenção individual e familiar”, explicaram Arruda e Camargo.

Conforme afirmaram também, os casos que demandarem maior atenção serão encaminhados a grupos criados especificamente para este fim no CRAS, no CREAS e saúde mental do município, quando necessário.

Outra faceta do projeto será a capacitação dos professores e funcionários das escolas, no sentido de saberem identificar e realizar o primeiro acolhimento e devido encaminhamento quando se depararem em sala de aula com alunos vivenciando as problemáticas.

“A capacitação será realizada por meio de formação de grupos para troca de experiência e treinamento. Um dos objetivos é criar nas escolas, um ambiente propício a livre expressão dos alunos, em que se habituassem a falar de seus problemas sem constrangimento quando necessários e tivessem em cada escola uma pessoa de referência para buscar em caso de necessidade”, alegaram os idealizadores.

O planejamento inicial é de destinar 16 horas semanais para a realização do projeto, sendo oito horas no período da manhã e oito no período da tarde.

Por fim, Arruda e Camargo ainda destacaram que a implementação do projeto, alcançado seus objetivos, fará de Capão Bonito uma referência no que se diz ao enfrentamento de problemas contemporâneos graves relacionados a transtornos mentais, violência, desestrutura familiar e outros.

O prefeito Marco Citadini elogiou a iniciativa a vista a importância da atenção com os estudantes e com as famílias. “Parabenizo as Secretarias de Desenvolvimento Social e Educação pela realização do projeto e aos idealizadores, Camila Camargo e Marcelo Arruda. Esse trabalho irá acompanhar os estudantes que mais precisam de apoio psicológico para que possam vencer as dificuldades e para que a vida escolar e familiar fiquem em harmonia, evitando casos de violência e transtornos”, finalizou.