A Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social promove, durante o mês de setembro, uma série de atividades voltadas à prevenção ao suicídio, com o lema “Cultive o Diálogo. Semeie Vida”, e em apoio à campanha “Setembro Amarelo”.

De acordo com a Secretaria, as ações têm o objetivo de conscientizar sobre a importância de debater sobre o suicídio e dar suporte às pessoas que necessitam do apoio. “As ações do “Setembro Amarelo”, uma campanha mundial de prevenção ao suicídio, traz a iniciativa de alertar a população a respeito desta realidade, fatores de risco, de proteção, sinais e formas de ajuda. Obter informações é uma das melhores formas de prevenção”, explicou a coordenadora do Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) Amanda Hussar.

Segundo dados apresentados pelo Centro de Valorização da Vida (CVV), 32 pessoas se suicidam por dia no Brasil, sendo que a cada 40 segundos, uma pessoa comete suicídio no mundo e, além disso, o suicídio está entre as principais causas de morte entre indivíduos de 15 a 44 anos e se configura como a segunda causa de morte entre pessoas de 10 a 24 anos. A Organização Mundial da Saúde (OMS) afirma que 90% dos casos de suicídio poderiam ser evitados se houvesse uma rede adequada para atendimento dessas pessoas.

A psicóloga do CRAS, Marilisa Moreira Ferreira Antunes, alerta para a importância de toda a população ter consciência a cerca de tal realidade, a fim de prevenir a crescente de tal fenômeno que é universal e vem apresentando números igualmente alarmantes na região.

“Não há uma única causa para o suicídio, sendo ele o resultado de uma série de fatores emocionais, físicos e sociais, que levam o sujeito à busca desesperada por uma saída de sua condição de sofrimento intenso. É essencial uma postura acolhedora e empática perante o sofrimento humano, o que não é atribuição exclusiva de profissionais como psicólogos e psiquiatras”, afirmou.

“Ouvir e buscar compreender a realidade singular de cada indivíduo e oferecer apoio emocional são medidas simples que podem ser tomadas por qualquer pessoa e salvar a vida de alguém. É obvio que a busca por ajuda profissional é imprescindível, porém o suporte vindo das pessoas próximas à pessoa é primordial para que ela chegue aos serviços de saúde mental”, concluiu.

Saber para prevenir

Entre os principais fatores de risco ao suicídio estão os transtornos mentais, aspectos sociais (homens, entre 15 e 30 anos, desempregados ou aposentados, viúvos ou solteiros), aspectos psicológicos (perdas recentes, personalidade impulsiva, abuso físico ou sexual na infância, desespero, desamparo) e condição de saúde limitante (dor crônica, tumores, AIDS). Já entre os fatores de proteção, ou seja, os que auxiliam no combate ao suicídio, estão: autoestima elevada, suporte familiar, laços sociais, religiosidade, razão para viver, ausência de doença mental, estar empregado, ter crianças em casa, gravidez planejada e acesso a serviços de saúde mental.

O “Setembro Amarelo”

Iniciado no Brasil pelo Centro de Valorização da Vida (CVV), Conselho Federal de Medicina (CFM) e pela Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), o Setembro Amarelo realizou as primeiras atividades em 2015 concentradas em Brasília. Mundialmente, a Associação Internacional para Prevenção do Suicídio (IASP) estimula a divulgação da causa, que está vinculada ao dia 10 de setembro, que é o Dia Mundial de Prevenção do Suicídio.

De acordo com estatísticas divulgadas pelo CVV, são 32 brasileiros mortos por dia por suicídio, taxa superior às vítimas da AIDS e da maioria dos tipos de câncer. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), nove em cada 10 casos poderiam ser prevenidos, por isso a conscientização é tão importante, para que a pessoa e os familiares busquem ajuda e atenção de quem está à sua volta.

Confira a programação completa da campanha em Capão Bonito